ATENDIMENTO CLÍNICO

End: Av. Champagnat, 520. Praia da Costa, Vila Velha - ES. CEP 29101-010.

Tel: 27 99915.4961

E-mail: virginia.pelles@gmail.com

O que é sexologia?

O sexo está presente na vida das pessoas desde a sua origem. Nada como uma área específica para estudar a fundo as manifestações sexuais. Ela estuda o comportamento, pensamento e emoção humana com foco no desenvolvimento sexual e nos aspectos fisiológicos, emocionais, sociais e culturais em que eles atuam. Ela atua nos conhecimentos sobre o sexo e a saúde, prevenção de doenças, controle de natalidade, disfunções, entre outros.

Sexo e Sexualidade

Esses dois termos são geralmente muito confundidos entre os leigos, mas saiba que eles são diferentes! Entende-se por “sexo” as características físicas e fisiológicas que diferem o feminino do masculino. A sexualidade, entretanto, é a conexão afetiva. São as sensações, descobertas, experiências e o prazer gerado a partir delas.

O que é terapia sexual?

A terapia sexual trabalha a sintonia sexual do casal e no conhecimento e desenvolvimento sexual individual. Tem como objetivo proporcionar melhoras da sexualidade como um todo: fisicamente, psicologicamente e emocionalmente.

Além disso, ela ajuda na comunicação com o(a) parceiro(a) e no tratamento de problemas emocionais. Quando há problemas físicos, o encaminhamento para o médico é recomendado. A terapia sexual não existe somente para quem está com problemas. Ela também auxilia o indivíduo a conhecer melhor o seu próprio corpo e obter recursos para aprimorar sua sexualidade e vida sexual.

O que é a terapia de casal?

A Terapia de casal é centrada nos processos interativos entre o casal – seja no casamento, no namoro ou no noivado, possibilitando-os a encontrar uma saída para os impasses, dificuldades e sofrimentos no relacionamento.

Qualquer atitude ou decisão, inclusive a de iniciar a terapia deve ser tomada de comum acordo. Afinal, o relacionamento é uma parceria. Veja abaixo motivos para fazer terapia de casal e evitar uma crise no relacionamento:

1 – Vocês estão com dificuldades na comunicação  – Esse é um dos primeiros sinais de alerta. Geralmente um fala e o outro não entende; ou um dos dois foge do diálogo e/ou evita expôr o que sente porque as conversas sempre se transformam em discussão.

 

2 – Está difícil lidar com a chegada dos filhos – Os filhos transformam o sono, a rotina, o tempo a sós, etc. A falta de atenção com o parceiro ou parceira e reclamações constantes de pouca ajuda no cuidado com as crianças e tarefas da casa estão no topo da lista de motivos das crises conjugais após a chegada dos filhos, que ainda podem ser agravadas pela falta de diálogo já mencionada.

 

3 – O ciúme está atrapalhando a relação – O ciúme é um sentimento natural em algumas personalidades e não apresenta muitos problemas quando ocorre de forma sutil e moderada. Porém, não é algo que surge de uma hora para outra e pode acabar se tornando uma condição excessiva que afeta não só o relacionamento, mas também o bem-estar geral de quem sofre as imposições da pessoa ciumenta.

 

4 – A vida sexual não anda muito bem – Há um desequilíbrio na vida sexual do casal, seja por falta de desejo, de frequência ou mesmo de prazer. Onde um tem mais vontade de ter relação sexual e o cônjuge não consegue acompanhar seja por qual motivo for.

 

A terapia de casal é um recurso riquíssimo para ajudar a retomar o equilíbrio da relação e entender qual a dinâmica que circula entre o casal, evitando problemas maiores e permitindo que os dois contribuam de forma mais efetiva para um relacionamento saudável e feliz.

 

Você sabia que mesmo cada relacionamento sendo único existem padrões de comportamentos bons e ruins? Todo casal tem suas diferenças, mas com o empenho de ambos é totalmente possível manter uma relação equilibrada.

Quando o aconselhamento sexual é necessário?

 

1 – Presença de disfunções

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), “a saúde sexual é um estado de completo bem-estar físico, emocional, mental associado à sexualidade e não só à ausência de doença ou enfermidade”

O médico neurologista e importante psicólogo austríaco Sigmund Freud (1856-1939), considerado o pai da psicanálise, foi o primeiro a investigar as causas das disfunções e problemas relacionados ao sexo. Ele recebia diversos adultos se queixando de problemas. Sua alternativa, então, foi investigar as origens na infância. 

Algumas pessoas possuem disfunções, ou seja, algo de origem orgânica não está funcionando como deveria. Disfunções sexuais femininas incluem: desejo sexual hipoativo, aversão sexual, pertubação de excitação sexual, pertubação do orgasmo, dispaurenia, anorgasmia, vulvodínea e vaginismo.

As disfunções sexuais masculinas mais populares são: a impotência sexual, a perturbação de desejo sexual hipoativo, disfunção eréctil, ejaculação precoce, anejaculação, disfunção erétil psicológica, ejaculação retrógrada, ejaculação asténica, ejaculação retardada e inibição do orgasmo masculino.

Nesse caso, a terapia sexual é fundamental para investigar se as causas dos problemas sexuais estão na área orgânica. A presença de disfunções deve ser tratada conforme as orientações médicas, unida com a terapia cognitiva sexual a fim de auxiliar o paciente a lidar com as consequências dos problemas orgânicos na sua vida sexual.

 

2 – Sentir dor na hora H

Saúde e Sexologia estão intimamente ligadas. É essencial que o cuidado exista em cada momento da vida, especialmente nessa área tão pessoal e que reflete em todas os outros setores da vida.

Qualquer desconforto ou dor durante o sexo traz grandes consequências emocionais e físicas. Por isso, é preciso compartilhar com o terapeuta sexual como é a dor e em que momento ela aparece. Assim, é possível acompanhar as análises e tratar da saúde mental desses pacientes.

3 – Estresse na vida pessoal e profissional

O estresse pode ser um grande desestimulante sexual. Quando as preocupações ocupam a mente, sobra pouco espaço para outras áreas da vida, e aquelas relacionadas ao prazer acabam sendo deixadas por último. O estresse e ansiedade no sexo é mais comum do que se pensa. Se não houver razão orgânica, o terapeuta sexual vai  investigar o que pode causar o problema. O estresse profissional e todas as pressões atreladas a ele é um dos maiores causadores de problemas na cama e pode desencadear na falta de desejo sexual. Por isso, sempre comunicar o(a) parceiro(a) sobre as angústias já é um grande passo para a cura. O terapeuta facilitará essa comunicação, promoverá o autoconhecimento e traçará técnicas que façam o estresse ser reduzido.

4- Dificuldade em sentir prazer

Seja por falta de sintonia e perda de interesse no(a) parceiro(a), ou até por conta de disfunções de causa orgânica, a dificuldade em sentir prazer e atingir o orgasmo pode afetar muita gente na hora H.

O Projeto de Sexualidade da Universidade de São Paulo (Prosex), realizado na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo concluiu que 55,6% das mulheres têm dificuldade para chegar ao orgasmo. Entre elas, 67% responderam que têm dificuldade para se excitar. Por isso, não exite em procurar ajuda caso esteja com dificuldade em sentir prazer na hora do sexo. Prazer em primeiro lugar, sempre!

 

5 – Falta de conhecimento sobre sexo e sobre o próprio corpo

Às vezes, os problemas encontrados em quatro paredes não estão relacionados nem à disfunções e dores ou a estresse. Muita gente não conhece o próprio corpo ou os próprios desejos. Autoconhecimento é fundamental no sexo, já que realizar as fantasias e sentir prazer – assim como proporcionar isso ao outro – é a chave. A terapia sexual promove esse tipo de autoconhecimento. Ela partilha informações, ensina e desperta a noção corporal e emocional. Muita gente acha que a terapia sexual envolve toque e o ato sexual em si, mas está longe disso. Ela trabalha com o diálogo.

 

6 – Histórico de traumas

A psicoterapia sexual pode ser feita com o casal ou individualmente, e ambas promovem resultados positivos. Muitas pessoas que sofreram grandes traumas na vida, como abuso sexual ou outros tipos de episódios negativos e marcantes, desenvolvem uma grande trava na hora de se relacionar com outras pessoas ou até mesmo ao despertar a própria sexualidade.

Pessoas que atrelam momentos ruins ao sexo podem se sentir menos, ou completamente, sem vontade de construir uma vida sexual saudável, não por não desejarem, mas por serem obstruídas pelos traumas. A terapia sexual identifica esse histórico e promove, sozinha ou atrelada à outras psicoterapias, uma análise em busca da cura.

7 – Falta de comunicação com o(a) parceiro(a)

Seja por medo do julgamento ou por falta de vontade, muitas pessoas constroem imensos muros entre elas e os(as) parceiros(as). Isso quebra a sintonia do casal e não alimenta nenhum tipo de desejo, pois muitas pessoas sentem medo de compartilhar fantasia por medo de serem julgadas. Na terapia sexual, os medos são trabalhados e a habilidade em se comunicar com o outro, também.

A sexualidade influencia diversos aspectos da nossa vida: os pensamentos, sentimentos, ações, laços e a saúde física e mental. É por isso que, se algum problema existir nesse quesito, afetará muitas outras áreas da vida. Procurar ajuda é o primeiro passo para uma vida saudável mais prazerosa. Você também pode descobrir se o seu relacionamento está precisando de terapia de casal.

Entre em contato e agende já sua consulta, temos a modalidade presencial e online.

Gentileza preencher os dados abaixo

© 2007 - 2020 Virginia Pelles. Todos os direitos reservados.

LOGO OFICIAL 2020 V2.0.png